Quinta-feira, 25 de Agosto de 2011

OS RICOS E A CRISE

O mais atual debate é o de que os detentores de grandes fortunas contribuam substanciamente para a luta contra a crise.

Recordo que ainda antes da crise se ter revelado e chegado, já havia pobreza e fome no mundo, portanto havia uma crise, mas não era nossa, era dos outros, embora estivesse também localizada aqui no nosso país, sim… é verdade, como muitos devem recordar-se e os que realmente não sabiam, ficam a saber.

Nessa época Bill Gates e a sua mulher através de uma fundação que criaram, mas daquelas verdadeiras, edificadas com o dinheiro deles, não com o dinheiro dos contribuintes como é uso e costume por cá, o casal entrou numa senda de ajuda direta, mas apoiando e apoiando-se em organizações não governamentais, pelo mundo que foram percorrendo.

No segundo semestre de 2010, o mesmo Bill Gates anunciou ir doar 50% da sua fortuna, desafiando, conjuntamente com o famoso investidor Warren Buffet, um grupo de bilionários a fazer o mesmo, o que aconteceu.    

Agora aparece na Europa este debate, depois de em vários países, ricos se terem oferecido para colaborar no combate à crise, tendo-se estendido mas por via política e portanto complicada, burocrática e que já se está a ver não ir a lado nenhum, nalguns países europeus, no fundo ter-se-ia que realizar um gesto natural, por decreto.

E mais se coloca a questão de que forma isso podería ser efetuado pois as declarações fiscais não são reais, nem próximas, assim como os extratos bancários e as contas das empresas estarem descapitalizadas, etc.

Assim, essa taxação deverá recair em mais valias de ganhos na Bolsa e outras formas ou terá que haver, o que seria espantoso, uma iniciativa dos próprios abdicando de parte do que nunca terão tempo de gastar, nem eles, nem os filhos, lembrando-se de uma expressão que muito aprecio que é a de se ‘aperceberem que o dinheiro não se come’ e que a economia e os seus dividendos ficarão estagnados se não tomarem eles, mesmo, medidas radicais.

Raras poderão ser as excepções, até porque esta crise foi criada por e para os sujeitos a que me refiro, sendo que aqui se prova, que bom e mau em todo o lado encontramos, pois numa análise simples, sem ser necessário ser economista que é o meu caso, quem tem lucrado com tudo isto são os próprios detentores de grandes capitais.

Por incrível que pareça para além de estarem a ter lucros, ainda têm sido os beneficiados em ajudas e subsídios estatais, quer a nível nacional, quer europeu, ao contrário dos comuns cidadãos que vêm reduzidas as suas receitas e aumentados os seus custos, por força de perderem o poder de compra pela estagnação e até redução de salários, assim como, do aumento de impostos e taxas, bens de primeira necessidade, que acabam por aumentar pela subida de custos de energia e combustiveis, para não falar dos desempregados.

Pior será com a aprovação inevitável das novas leis do trabalho que irão resultar em despedimentos selvagens assim que a lei esteja publicada, havendo aí mais uma possibilidade de encaixe financeiro para as grandes empresas que serão os subsídios e reduções de taxas e impostos às empresas que contratem esses trabalhadores no desemprego.

Esta crise, para quem tenha dinheiro é um excelente negócio e esse é o motivo de não ser tão dramática como isso, que se recorra às grandes fortunas para combater a dita cuja.

Assim, após os primeiros impulsos de repulsa, logo se esfumarão e ‘siga a crise’…

Mas o princípio, o fato de os grandes detentores de fortunas comparticiparem com a justa quota parte para debelar a situação, baixarem à terra, poderá criar uma nova fase na vida das nossas sociedades, já que noutras ocasiões nem disso se falou.

Talvez se comece a perceber que as diferenças tão desniveladas de estar na vida não são boas para o equilíbrio natural do Planeta, tal como os outros equilíbrios necessários de manter para que se consiga vencer, não só ‘isso da crise’, mas o grande combate da sobrevivência.

Pode ser uma pequena luz ao fundo do túnel… 

sinto-me: optimista
tou a curtir: Herbie Hancock's "Imagine".Pink, Seal, India.Arie
publicado por FV às 19:00
| comentar
Quarta-feira, 17 de Agosto de 2011

EXCLUSIVO DA VIDA

Há quem pense arduamente que tem o exclusivo da vida, assim como se fosse uma marca de moda, de preferência cara, com roupa, sapatos, malas, perfumes e todos os acessórios incluídos.

Conforme os anos vão passando, como qualquer pessoa, no percurso vão aparecendo escolhos, para uns mais terríveis que para outros, agruras de toda e qualquer espécie, que nos vão moldando a personalidade, que vem sendo formada já de há muito… não cabe aqui o debate se é ou não já uma questão genética e depois com interferência ambiental, ou seja, o que for, não se trata disso.

Pura e simplesmente, e, creio que isso é pacífico que sim a personalidade é transformada ao longo da vida, marcada pelos acontecimentos bons, menos bons, péssimos e menos maus, no fundo por tudo o que nos vai acontecendo, por vezes por situações de que nem damos conta.

A capacidade de sofrimento ou de viver a felicidade de cada um não é igual e essa é uma das belezas do ser humano, não sermos todos iguais.

O fato de sofrermos mais intensamente ou mais vezes, ou, de termos sido felizes da mesma forma, não nos dá o direito de nos considerarmos superiores aos outros, os sofrimentos não se medem… aos palmos, tal como a felicidade.

Há gente que passa a chamar a si uma exclusividade da vida, como se fossem seres especiais, perdendo e confundindo o que é humildade, passando a viver como se o mundo girasse só à sua volta, esquecendo que há outros que também sofreram, sofrem e podem vir a sofrer, ou, foram felizes, são felizes ou poderão a ser felizes.

Isto não permite qualquer sobranceria e falta de respeito em relação aos outros… os outros, enfim, os tais outros que também levam o seu quinhão de felicidade e sofrimento, que estão em pé de igualdade, não são ‘uns quaisquer’ que sabem lá o valor da vida…

Tudo… a todos pode acontecer.

Isto é a vida e não dá exclusividade a ninguém.

Como é possível viver a medir e comparar constantemente a dor, o sofrimento, a tristeza ou a felicidade, ou, até a inteligência e a capacidade de amar e de ser amado?

“Não são as espécies mais fortes nem
As mais inteligentes que sobrevivem,
Mas sim aquelas que melhor
Respondem às mudanças”
Charles Darwin

Estas pessoas que pensam ter o exclusivo do sofrimento chegam a duvidar de que algo de bom lhes possa acontecer, colocam tudo em questão, já não acreditam em nada, nem se apercebem do que podem provocar à sua volta, mas a vida é feita de altos e baixos, por isso também os que pensam ter o exclusivo da felicidade estejam atentos porque podem ser surpreendidos.

Sobrepõe-se a falta de noção do absurdo, o oito e o oitenta, a mania da perseguição, acham que nada nem ninguém quer saber, nem se pode estar a preocupar com eles, porque isso é impossível, isso é o seu papel… isso e tomar decisões também pelos outros que são uns pobres de espírito!

Tudo o que leem, veem e ouvem lhes diz respeito a eles, até os acontecimentos mais vagos, mais longínquos, tal é a certeza de que são o centro do universo, que nada, nem ninguém mais tem uma existência tão marcada como eles os detentores do ‘exclusivo’.

Viver a vida é isso mesmo, amar, recordar, ser feliz, sofrer, tentando sempre estar bem, não ser fatalista, lutar por dias melhores, acreditar que é possível concretizar o que sonhamos de bom para nós!

Olhar em redor, ver os outros, estar com os outros, deixar-nos ir com a vontade da Natureza, respirar fundo, tentar aliviar o sofrimento com que temos que lidar, não importa se é muito ou pouco, saber conviver com a felicidade que pode ser mesmo tão ou mais difícil…

Nada, nem ninguém tem o exclusivo da vida!

Vivam-na o melhor que puderem, mas façam-no!


sinto-me: exclusivo!
tou a curtir: It's My Life.Bon Jovi
tags:
publicado por FV às 18:02
| comentar
Segunda-feira, 8 de Agosto de 2011

ISTO ERA PARA SER UMA PEQUENA AUTOBIOGRAFIA

Em 1959 era inaugurado o Metro em Lisboa… mas… onde é que eu já ouvi isto?

Hhhuuummm… bom, também nasceu, entre outros, o grande Fernando Chalana, o não menos ‘loco’ John McEnroe e um desfile de astros da música, por exemplo, como Sade, Lenine, Morrissey, Suzanne Vega, Bryan Adams e o espacial Michael Jackson, assim como os atores Kevin Spacey e Val Kilmer.

Nesse ano em que o cinema aparecia com a inovação da exibição em 70 mm obrigando as salas a adaptarem-se aumentando de dimensões, Hollywood deu-nos pérolas como ‘Ben-Hur’ de William Wyler com Charlton Heston, ‘Rio Bravo’ de Howard Hawks com John Wayne e ‘Porgy and Bessy’ de Otto Perminger com Sidney Poitier e Sammy Davies Jr, entre tantos outros filmes de enorme nomeada, não estando nessa altura o cinema europeu também tão mal servido como isso apresentando-se Alain Renais com o seu ‘Hiroshima mon amour’.

Entretanto, também nasce a Barbie… que ainda hoje é a mais famosa das bonecas.

E era assim, através de Barbies e outros sonhos americanos que o mundo ocidental procurava atingir uma sociedade perfeitinha onde todos se portassem bem e não incomodassem muito.

Do outro lado do planeta nem todos pensavam assim e vai daí óspois as coisas não correram como era esperado.

Na música reinava, naturalmente, o Rei, Elvis Presley, mas paralelamente e que já vinha de trás havia um som que havia de começar a ouvir-se fora dos ‘ghetos’ habituais, além do Jazz, estou a referir-me aos Blues a Muddy Waters e depois B.B. King.

Waters abriu a porta a Chuck Berry e nada mais foi como antes…

Ainda jovens, em início de carreira, mas já com grandes sucessos que ainda perduram morrem Buddy Holly e Ritchie Vallens.

O Jazz perde nesse ano uma das suas maiores intérpretes de sempre, Billie Holiday.  

A música Soul cimentava-se com a criação da Motown e os brancos começaram a ouvir o ‘Black Sound’.

Estes foram os primeiros passos para o ‘big boom’, um ano depois, em que aparecem The Beatles e todas aquelas bandas e movimentos anglo-saxónicos que acabaram por mudar o mundo, o que está a acontecer agora, hoje, e que há ainda pessoas, cidadãos que nem repararam…

A revolução, essencialmente, social estava lá, a político-económica viria em conjunto!

Tanto lá como por cá iam-se preparando as guerras de guerrilha fora de portas, tendo sido em 1959 que foi editada a Diretiva do estado-Maior do exército pronunciando já a intervenção militar nas provincias ultramarinas onde, nalgumas regiões, se começava a sentir alguma tensão.

Revolução, revolução mesmo, começou a de Cuba, nesse ano Fidel Castro, seu irmão, Che Guevara e os companheiros tomam o poder e dão início a uma caminhada que durou mais que qualquer pessoa pudesse supor, cingindo-me ao fato e sem tecer neste caso qualquer opinião que aqui e
de momento não cabe.

Mas afinal o que eu pretendia era mesmo escrever uma pequena estória autobiográfica para o planeta de artes e comunicação para me dar a conhecer um pouco, o que me influenciou, o que determinou em mim certas formas de ser e estar, no fundo o que me levou a viver da maneira que vivo, porque o mundo que nos rodeia é demasiado importante para a formação da nossa personalidade, isto se nós quisermos e deixarmos…

Vamos lá tentar…

A coisa não foi fácil, não pensem!

Para já chegámos à Maternidade Afredo da Costa e não deixaram a minha Mãe entrar para eu nascer… tão a ver logo ali, ainda não tinha nascido e já estava com um problema com o poder instituído, como o sistema, neste caso o de Saúde e não só.

O regime não queria que eu nascesse?
Então, porque é que eu não hei-de ser assim sempre do contra?

Vai daí, por Obra e Graça do Espírito Santo e do motorista do táxi que transportava o meu Pai, a minha Mãe e eu, ele desconfiado decidiu que íamos era para outro hospital.

Agora reparem, eu em qualquer sítio sempre tenho uma certa empatia com os motoristas de táxi, sempre grandes conversas e isto e aquilo, e, assim também vou conhecendo mais alguma coisita.

Levou-nos então ao Hospital de Santa Maria… enorme!!! Moderno!!! 4 500 portas e 5 400 janelas, as coisas que eu sei… só o edifício principal que era o que existia!!! Um Luxo!!! Para eu nascer, só podia!

Lá me ficou esta mania das coisas boas…

Mal nasci, tumba! Levei logo, uma enfermeira BCM*, truca dois açoites, um médico a gritar não sei o quê, e, pôs-me logo a chorar!

Quer-se dizer, venho cá para fora com uma BCM* daquelas à frente e querem que eu fique quieto com as mãozinhas?

E sabia lá eu que o médico era o marido! Eu até sou contra um casal a trabalhar no mesmo local!

Digam-me lá se isto não ajuda a determinar a personalidade de uma pessoa?

Realmente só poderia ter nascido num ano como 1959 no auge de um tempo de mudança, tal como o que vivo neste
momento, por isso tenho essa saudade do Futuro!

 

Nota *: BCM – Boa Comó Milho

sinto-me: autobiografado!
tou a curtir: Born To Be Wild and Easy Rider. Steppenwolf
tags:
publicado por FV às 16:34
| comentar | ver comentários (1)

mais sobre mim

posts publicados

We Want To Be Free

DIA MUNDIAL DA MÚSICA

THANKS R.E.M.

OS RICOS E A CRISE

EXCLUSIVO DA VIDA

ISTO ERA PARA SER UMA PEQ...

NO FIO DA NAVALHA

MONÁRQUICO – AQUI E AGORA

GÉNIO A ZURRAR LONGE DURA...

SWEET ILLUSION

arquivo

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

comentários recentes

Esta auto-biografia pode ser a minha...faço copy p...
Gostei muito do seu texto e tomei a liberdade de o...

mais comentados

links

Os Meus Bloguios

Divulga também a tua página
planeta de artes e comunicação

Divulga também a tua página

as minhas fotos

pesquisar

 

subscrever feeds

grato pela visita


web site counter

tags

11set

2011

27

basta

bill

blues

boasfestas

burke

claudia

coroa

dirty

doce

enterrodoentrudo

era

exclusivo

felicidade

fiodanavalha

fome

francisco

free

garymoore

génio

interludio

knock

lennon

letras

mãe

música

nirvana

obama

pobre

polemicos

rem

ricoscrise

seres

show

vergonha

woman

todas as tags

(O direito de autor é reconhecido independentemente de registo, depósito ou qualquer outra formalidade artigo 12.º do CDADC. Lei 16/08 de 1/4) (A registar no Ministério da Cultura - Inspecção - Geral das Actividades Culturais I.G.A.C. - Processo n.º 2079/09)